Criatividade: de onde ela vem e para onde ela vai?

24, março de 2021

Existe o clichê “temos que pensar fora da caixinha” e sermos criativos. Mas, afinal de contas, de onde vem a criatividade humana? Será que ela surge do nada, quando menos se espera e BOOM! EURECA!? A criatividade é o resultado de nossas experiências anteriores, lembranças, novos desafios e o inesperados também claro!

Podemos dizer que fulano é muito criativo e outros totalmente desprovidos desse adjetivo?  Para respostas diferentes, perguntas diferentes.  O óbvio não encanta, não desperta o interesse, porque estamos sempre em busca, do que nos surpreende.

Mas então, por que não conseguimos melhorar nossa criatividade? Algumas pessoas, acham que mudar a rota seria arriscado, e para que se arriscar, se já conhecemos o caminho e do outro jeito parece longo demais e incerto?

O fácil nos parece mais familiar. Nos intimidamos com a criatividade alheia, isso parece inibir nossa pró-atividade e punimos os outros com rótulos capazes de justificar a nossa “falta de criatividade”. E eu com isso?! Então, escolhemos o BASICÃO, porque esse não dá trabalho e não nos tira da zona de conforto, lugar seguro e quentinho que gostamos de ficar.

Mas se eu mudo de emprego e nesse novo trabalho, meu chefe exige criatividade? Se estou desempregado e preciso arrumar algo diferente para ganhar meu sustento? Se estou cansado de fazer tudo igualzinho ao que me ensinaram? Aí vão algumas dicas, mas como já pode imaginar, só servem para quem está interessado em sair da caixinha e ver as coisas com outros olhos.

Busque um olhar mais atento, seja observador, veja como as coisas funcionam e o que não funcionam, ouse mais. Isso tem um preço, mas coragem! Desmonte as uniformidades, veja o que ninguém vê, olhe de longe, afaste-se, pense como alguém que não é você.

Desconstrua as estruturas já postas e recrie novas estruturas. Sugira, não tenha medo de errar, erre até acertar, forme um olhar associativo, aprenda com o outro, mas ensine também! Conheça seus limites e vá além, construa um saber transformador, supere-se fazendo algo diferente do que fazia antes.

Já ouviu falar em ócio criativo? Isso resolve a sua dor, então, pegue outra trilha! Pise na areia da praia, tome banho de chuva, coma biscoito recheado no banco da praça vendo crianças brincarem. Veja o sol nascer, se jogue volte ao começo.

Faça aquilo que há muito tempo não faz, e BOOM, EURECA! Verá que você é sim criativo, só deixou isso para lá, escondido na criança que cresceu.

 

Gracilene Muniz Braga
Mestre em Economia Doméstica
Tutora do ensino a distância