Aluna de doutorado é premiada na Califórnia com tese sobre Kefir

15, maio de 2018

Um estudo feito pela nossa Doutoranda em Ciências Farmacêuticas, Mirian de Almeida Silva Cutini, demonstra a capacidade do probiótico kefir de reduzir a pressão arterial, com trabalhos pioneiros realizados na UVV. O objetivo de sua tese é avaliar se o kefir pode melhorar ou reverter as alterações que envolvem a comunicação entre o eixo intestino-cérebro.

A hipertensão é uma doença crônica, que pode ser prevenida e controlada. Está relacionada com o estreitamento dos vasos sanguíneos, forçando o coração a bombear sangue mais forte de forma que chegue em todo o corpo.

“Com os resultados dessa pesquisa, sugerimos que o probiótico kefir pode atuar na redução da hipertensão atuando por mecanismos que envolvem a comunicação entre intestino e cérebro”, afirma Mirian, que participa do programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas (PPGCF) da UVV sob orientação de Dr. Tadeu Uggere de Andrade e coorientação da Dr. Vinicia Biancardi da Universidade de Auburn nos EUA.

Parte do seu trabalho está sendo realizado na Universidade Auburn, nos Estados Unidos, por meio do Doutorado “sanduíche”. A tese foi premiada durante o evento “Experimental Biology”, em San Diego (Califórnia), um encontro internacional que envolve mais de 14 mil cientistas de diversas áreas de atuação.

Entre os trabalhos, o dela esteve entre os escolhidos para ser publicado no site da American Physiological Society (APS). A APS é uma organização sem fins lucrativos, que promove a educação, as pesquisas científicas ligadas às ciências fisiológicas e incentiva alunos por meio de premiações específicas para cada área temática.

“Hoje sonho em retornar ao Brasil e seguir colaborando para pesquisa e formação acadêmica de outros alunos”, conta.

Parabéns, Mirian! Este é só o começo de grandes conquistas. Estamos orgulhosos!