Dores na lombar atingirão 90% das pessoas

14, junho de 2018
Você já sofreu de dores nas costas? Ou será que foi dor na lombar? As dores nas costas são diferentes de dores lombares. As costas são região do dorso, que vai do pescoço até as nádegas, já a lombar é a região entre as últimas costelas e os quadris. Portanto, nem toda dor nas costas é caracterizada como lombalgia.
 
Segundo o site ITC Vertebral, 90% das pessoas terão ao menos uma crise de lombalgia na vida. A lombalgia pode afetar qualquer pessoa, causando desconforto, dores fortes e até mesmo dificuldade de permanecer sentado ou caminhar com as costas eretas. Além disso, pode ser irradiada para glúteos, quadris, coxas e pernas.
 
Nem sempre as causas da lombalgia são conhecidas, já que entre seus tipos – crônica e aguda -, existe a lombalgia inespecífica, em que não é encontrado um fator que justifique a dor localizada na região. “93% das dores são de causa inespecífica, não sendo possível associar os achados radiológicos presentes no exame ao quadro de dor do paciente “, explica o professor de Fisioterapia, Fabiano Dias.
 
Os maus hábitos do dia a dia, a má postura, sedentarismo, obesidade, ansiedade e noites mal dormidas são fatores que contribuem ou agravam o problema. Algumas atitudes simples e o tratamento com um profissional podem ajudar amenizar a dor. Atividade física, correção de postura, alongamento e repouso estão entre elas.
 
Professor Fabiano Dias com alunos e monitores
Professor Fabiano Dias, com alunos e monitores.
 
Por meio de projetos de extensão, como “Efeitos de um programa de Back School na prevenção e tratamento da dor lombar não específica”, orientado pelo professor Fabiano Dias, e “Pilates na lombalgia inespecífica”, orientado pela professora Valéria Lemos, a Policlínica da UVV oferece tratamento gratuito e ajuda na prevenção. 
 
No programa de Back School, os pacientes têm acesso a informações como relacionadas à anatomia da coluna, dor crônica e sensibilização central, postura corporal, fatores desencadeantes de dores lombares, prática de atividade de física e bons hábitos de vida. “Avaliamos a efetividade da orientação, como estratégia de tratamento da dor lombar, pois acreditamos que o empoderamento do paciente, sobre sua condição de saúde, é um fator importante para adoção de medidas de prevenção, mudanças de atitude, bem como para a adesão do paciente ao tratamento”, afirma Fabiano, orientador do projeto.  
 
Para a monitora e aluna de Fisioterapia, Poliane Santos, a vivência e os conhecimentos passados por meio dos projetos são de extrema importância. “O paciente atendido se beneficia com o tratamento gratuito para o seu problema, o que agrega positivamente à sua qualidade de vida e nós, como alunos, nos beneficiamos em conhecimento, vivência prática e aprendizado”, explica.
 
O atendimento acontece às terças e quintas-feiras, entre 13 e 17 horas. Podem ser atendidas pessoas da comunidade do entorno da UVV, com idade de 18 a 59 anos e que possuem dores lombares crônicas a mais de 12 semanas. O pilates acontece às segundas e quartas-feiras, das 16h30 às 18h30. Para participar, é necessário ter entre 25 a 60 anos.
 
Além do tratamento para lombalgia, o curso de Fisioterapia oferece outros serviços para a comunidade, como: fisioterapia traumato-ortopédica, neuromuscular adulto, neuropediatria, doenças metabólicas (hipertensão arterial sistêmica e diabetes), doenças vasculares periféricas (varizes), incontinências urinárias, atendimento a gestantes e pós câncer de mama.
 
Para mais informações, ligue 27 3421-2170.